• 05/06/2018// Por: Taty Ferreira

    Talvez você tenha vaginismo e nem sabe! Vem descobrir!

     

    Convidei a Juliana Pescara, que já passou por este problema e se tornou especialista nisso, para falar com vocês sobre o assunto e explicar todos os detalhes, vem ver!

     

    vaginismo acidez feminina

     

    Você já ouviu falar em vaginismo? Não? Então acompanha esse artigo que eu tenho um assunto muito importante para tratar com você. Pois, se você sente dor na relação, ou ardência, ou tem sangramento ou, até mesmo, tem medo de transar, pode ser que você tenha vaginismo.

    Acontece que, atualmente, muitas mulheres estão vivendo frustradas, pois não conseguem de fato ter uma relação sexual prazerosa. Afinal, já faz muito tempo que essa coisa de que “mulher não pode ter prazer” já está ultrapassada. Isso a gente já sabe!

    Mas, o que muita gente ainda não sabe, é que existem dezenas e milhares de jovens, moças, mulheres e até velhinhas (sim, até as velhinhas), sofrendo de um mal chamado vaginismo.

    Desse modo, a qualidade de vida cai. A auto-estima cai. O prazer na hora do sexo? Esse nem se quer existe. E é exatamente por essa razão que precisamos falar sobre vaginismo.

    Prazer, meu nome é Juliana Pescara, e hoje eu invadi o blog da Taty… Mas calma, é por uma boa causa!

    Estou aqui hoje para mostrar a vocês o que é esse mal silencioso que, muitas vezes, nem é diagnosticado. E ainda, o quanto ele atrapalha a nossa sociabilidade e autoconfiança. Por isso, acompanha o que eu tenho para lhe dizer e vamos juntas impactar o maior número de mulheres possíveis.

    O que é o vaginismo?

    Mas afinal, o que é vaginismo? Bom, em poucas palavras, é a contração involuntária que a parede da vagina da mulher dá quando a mesma pensa em sexo ou está tentando praticar o ato sexual. Causando, desse modo, dor, ardência, sangramento, frigidez, etc. Ou seja, ele abrange exatamente uma gama de contextos da vida da mulher: relacionamento, auto-estima, confiança, bem estar, etc.

    No entanto, é claro que o seu conceito é bem mais amplo, e eu falo sobre ele aqui. Porque veja bem, estamos tratando de um assunto que circunda, normalmente, questões psicológicas da mulher. Desse modo, as causas são inúmeras, mas, o que elas não estão sabendo, é que todas as causas do vaginismo são curáveis.

    O pior é que, normalmente, o diagnóstico nem se quer é feito. E, além disso, há ainda quem diga que este problema é “frescura” da mulher que – nas palavras deles – não querem dar. Mas, minha gente, eu estou aqui hoje para falar uma verdade bem verdadeira para vocês: vaginismo não é frescura! É uma disfunção sexual que tem cura! E sabe como eu sei de tudo isso? Vivendo 7 anos com dores durante a relação sexual, mesmoquerendo dar.

    Minha história com o vaginismo

    Bem, a minha história é super longa, e ela engloba traumas de infância e momentos peculiares acerca do sexo. Não cabe eu detalhar a minha infância aqui para vocês, mas cabe eu resumir a minha história de dores e frustrações envolvendo este mal.

    Eu, Juliana, perdi a minha virgindade aos 16 anos. Acontece que, naquela época, eu ainda vivia com os meus pais, rodeada de regras religiosas e opressões quando falávamos de sexo. Inclusive, eu tinha aquela ideia em mente de que casaria virgem!

    Mas, quando o meu coração encontrou o boy magia dos meus sonhos, eu não, digamos, “aguentei”. O problema é que, mesmo querendo transar, eu não queria porque sentia culpa. E foi aí que eu comecei a sentir dor, e mais culpa, e mais dor, e mais culpa. Até que, quando me dei conta, minha vagina se fechou completamente.

    E olha, meus amigos… Quando eu falo que se fechou, é porque fechou mesmo! Nem meu boy conseguia sequer introduzir o dedo. Sim, isso mesmo que você leu. Minha vagina se contraía tanto, mas tanto, que tornou-se impossível introduzir um dedo. Meu namorado tentou? Tentou. E ele relatava que parecia que estava tentando enfiar o dedo na parede de concreto.

    Triste mas realidade. E, pior do que isso, foram as inúmeras vezes que chorei tentando, simplesmente, “dar” para o meu namorado. Chorava me sentindo incapaz. Chorava me sentindo feia e fraca. E dizia aos prantos para ele: Eu nunca vou conseguir isso.

    O tempo passou, e, de certa forma, desistimos. Acredito que tentamos nos primeiros 3 anos do relacionamento, pois foi quando eu ainda perdi a minha mãe… Ou seja, novas inseguranças, dores e medos surgiram em minha vida.

    Depois disso, passou-se muito tempo. Eu ainda tentava apenas introduzir o meu dedo, sozinha, enquanto me masturbava. Mas, nada acontecia… E eu chorava sozinha no meu quarto.

    No entanto, depois de 7 anos e inúmeras tentativas, eu consegui! Sim, dá pra acreditar depois de tudo que relatei? Eu finalmente encontrei a solução para a minha vida! Eu consegui vencer o vaginismo.

    E, desse modo, eu criei o meu blog, o www.vencendoovaginismo.com.br, e nele eu passei a relatar tudo sobre este mal que maltrata tantas mulheres. Pois além de impactar a vida e a autoestima da gente, ele ainda impacta o nosso parceiro, diretamente! E é por isso que estou querendo mostrar ao maior número de pessoas os males desta disfunção e, mais do que isso, ajudar infinitas mulheres a superarem a partir da minha história.

    Vem comigo descobrir um universo de possibilidades!

    Por essa razão eu estou aqui hoje! Vim te convidar para conhecer o meu Programa chamado Vencendo o Vaginismo – que em breve lançarei em formato de guia. Acesse o meu blog, e não deixe de mostrar pra prima, pra amiga, pra tia e pra sobrinha (desde que ela não seja uma criança, ok? rs). E também não deixa de compartilhar com o melhor amigo! A gente precisa falar sobre isso. A gente precisa fazer com que o maior número de homens e mulheres desse mundão conheçam esse problema para, dessa forma, resolvê-lo.

    Precisamos falar sobre o vaginismo, para que ele não fale pela nossa vagina por aí. Porque ninguém mais apto para responder aos nossos desejos sexuais do que o nosso corpo pautando-se em nosso pensamento! E não o nosso pensamento ficando limitado as barreiras sombrias do corpo.

    Gente, vaginismo tem cura! Eu quero ajudar as mulheres a terem a vida sexual que todas merecem! E olha, deixa eu te falar, foram 7 anos frustrada… Mas agora eu posso afirmar que sexo é uma das melhores coisas da vida!

    Aguardo a sua visita e o seu comentário lá no blog!

    Um beijo,

    Juliana Pescara.Vaginismo


    Gostou? Compartilhe

  • 26/04/2018// Por: Taty Ferreira

    Por que toda mulher deveria ser uma slashie?

    Algumas pessoas ainda têm dificuldade em entender que meu trabalho é o YouTube, o blog e meus perfis nas redes sociais, mas quem já me acompanha a mais tempo sabe que faço parte de diferentes áreas profissionais: blogger / youtuber / empresária / escritora / dona de casa e, recentemente, mãe. Outro dia tive conhecimento de um termo que define meu estilo de vida: Slashie. Eu sou da “geração SLASHIE” agora!

    Mas afinal, o que significa ser “slashie”? E porque me defino como uma?

    Slashie acidez

    A ideia de que temos que fazer coisas que nos satisfaçam enquanto pessoa ao invés de apenas trabalhar para se sustentar é algo cada vez mais procurado pelas novas gerações. Em vez de se dedicar apenas a um emprego, ser um slashie significa dedicar-se a múltiplos hobbies ou carreiras. A definição da palavra por si só, já mostra esse multi-universo de possibilidades: slash, em inglês, significa barra (/). Ou seja, como na imagem acima, eu sou mãe / empresária / blogueira… A barra mostra que eu sou muitas coisas, e divido meu tempo entre elas. Isso significa desfrutar de diferentes tipos de vida e conhecer pessoas de diferentes comunidades.

    Slashie significa mais possibilidades na vida

    Já faz 9 anos desde que entrei na Internet e comecei a me tornar uma criadora. No início, escrevi artigos sobre o universo feminino. Porém, depois de um ano, senti a necessidade de criar diferentes conteúdos em diferentes plataformas. Ao mesmo tempo fui percebendo que trabalhar nesse mercado é algo que gera muita insegurança. Novas plataformas e redes sociais vão surgindo todo dia, os leitores/viewers vão migrando com fluidez dentre esses aplicativos e espaços e todo dia é necessário me adaptar para acompanhar as mudanças e continuar entregando um conteúdo que mantenha o público comigo. Quando você se ajusta a um certo tipo de estilo, você para de crescer.

    Com o objetivo de ser responsável por mim e pelos meus leitores, dei um passo à frente como youtuber. Ser youtuber me deu mais liberdade para expressar as ideias que não consigo expressar por artigos. Em suma, se contentar com a vida que você leva é

    estagiario_porta_fechada

    perigoso. Ser um slashie ajuda você a descobrir as possibilidades da vida e o mantém crescendo.

    Slashie significa auto-conhecimento

    Não existe um manual para a sua felicidade profissional e pessoal quando você vira adulto. Muitas vezes crescemos influenciados pelos nossos pais, com ideias que não fazem mais tanto sentido hoje em dia. Na tentativa de ajudar, eles acabam nos passando uma visão ultrapassada de um tempo em que ficar na mesma empresa por 20 anos era normal. E a verdade é que a gente não quer isso, a gente quer mais! Mas saber o que é de fato esse “mais”, pode não ser tão simples assim. E isso é mais uma coisa que ser um slashie te ajuda a descobrir.

    Todas as pessoas vêm ao mundo com a missão de conhecerem a si mesmas e isso é um passo importante para sua realização pessoal e profissional. Você pode conseguir um emprego que te pague super bem, mas que te pressione muito. Se você, no fundo, não for uma pessoa que acredita que só o dinheiro importa, você vai acabar largando esse emprego cedo ou tarde, ou pior, ficar infeliz nele. Se você se tornar um programador, por exemplo, fora da pressão social, mas gostar de escrever, você um dia vai acabar não resistindo à essa paixão e começar a escrever no seu tempo livre, assim como várias pessoas fazem no TopBuzz, uma plataforma amigável a slashies Portanto, é só se tornando um slashie, que você vai conseguir se auto-conhecer.

    Ser uma slashie

    Slashie significa mais conexão com mais pessoas

    Se você me perguntar quais são as coisas que eu valorizo na minha vida, eu diria a conexão com mais pessoas, ajudando outros do meu modo.  Como humano, não quero ficar sozinha no aspecto espiritual. E é através de fazer vídeos, expressando minhas opiniões, que não só tenho me conhecido mais, como também recebo retorno de meus seguidores. Eu não conheço a maioria das pessoas que assistem meus vídeos, mas durante vários minutos, muita gente ouve minhas opiniões e deixam seus comentários, que me dão mais inspiração e suporte. E ali eu me sinto conectada!!

    O que me faz feliz é que várias mulheres me enviam mensagens, agradecendo e dizendo que minhas palavras lhes deram muita coragem para seguir um novo começo na vida! Fiz muita amizade com meus seguidores, e conheci muitos slashies legais em fóruns, grupos e festas organizadas pelo TopBuzz. Sei com toda certeza que isso é a vida que sempre sonhei, que vale a pena viver!

    topbuzz

    Resumindo, o que é ser uma slashie?

    1. Perguntar a si mesmo quem você quer ser. Eu sei que é clichê, mas confie em mim: uma vez que você descubra as coisas pelas quais é apaixonada, é mais possível que você seja bem-sucedida.

    2. Coloque em prática com passos pequenos. Seria insano se sugerisse a todos vocês que desistissem do trabalho apenas para “perseguir o seu sonho”, porque os sonhos podem custar caro. É preciso muito tempo e dinheiro para formar um hábito e transformá-lo em uma carreira. Então, em vez de correr o risco de perder o emprego que você já tem, por que não começar pequeno? Tente compartilhar seus pensamentos e ou seu hobbie em plataformas, como o TopBuzz, onde milhares de slashies já estão fazendo o mesmo.

    TopBuzz é um aplicativo para celular que agrega diversos conteúdos da internet, como notícias, GIFs, vídeos, etc. Como usuário, você pode ficar atualizado sobre tudo no mundo usando apenas um aplicativo. Se você quer ser um criador de conteúdo, basta cadastrar uma conta através de www.topbuzz.com, e começar a escrever artigos ou publicar vídeos, para mostrar os seus pensamentos, opiniões ou simplesmente seu dia-a-dia. O que você publicou na sua conta no TopBuzz.com, vai aparecer no feed dos usuários do aplicativo.

    Considere meu amigo como um exemplo. Apesar de ser um jornalista, ele tem um sonho de criar seu próprio programa de turismo há muitos anos. Em vez de começar seu programa do zero, ele criou uma conta no TopBuzz. Lá, ele compartilha sua experiência em países diferentes e divide roteiros e dicas de viagem. Gradualmente, ele ganhou muitos fãs. Em 2012, durante Jogos Olímpicos, ele viajou de Pequim a Londres de carro e contou essa história na Internet, atraindo atenção de muitas mídias, até O Globo fez uma entrevista pessoal com ele. Com a aprovação de seus fãs e as atenções que ele recebeu no TopBuzz  ele poderia manter o rumo e avançar no sonho.

    3. Comunicação para progredir. Encontrar pessoas como você é muito importante, porque você vai precisar de novas idéias e incentivos quando se dedicar a ser um slashie. Uma comunidade de slashies pode ser sua inspiração quando você fica sem ideias. Hoje em dia, milhares de slashie, de diferentes carreiras, estão ativos no TopBuzz. Pessoas de jornalismo, da indústria da música, indústria da educação e muito mais estão encontrando alternativas e conversando entre si.

    4. Tome uma atitude! Todos os sonhos morrem no momento em que você pensa duas vezes. Um slashie nunca hesita em levar o seu sonho em ação.

    #SouSlashie #Slashie #SlashieTopBuzz


    Gostou? Compartilhe

  • 25/04/2018// Por: Taty Ferreira

    Achou que era bomba, mas era coisa de sex shop

    bolinhas

     

    “Queria contar o que aconteceu comigo por esses dias…

    Moro numa cidade relativamente pequena. Há pouco tempo um jovem rapaz conhecido aqui na cidade faleceu e todo mundo tava comentando sobre qual seria o motivo e dizem que o fato aconteceu porque ele tomava aquelas bombas pra ficar todo musculoso. E com essa repercussão toda, os pais do meu noivo ficaram super preocupados porque ele ama academia e estava tomando uns suplementos.

    Foi ai que meu digníssimo sogro resolveu fuçar o quarto do meu noivo para ver se encontrava alguma coisa pra fazer ele parar de tomar.

    É aí que eu entro na história. Eu sou uma pessoa que tem pouca lubrificação então vivo comprando coisas do Sex Shop.
    Durante a investigação do meu sogro ele acabou encontrando umas bolinhas de silicone que estoura na pepeca. Ficou apavorado, tirou do potinho, colocou em direção ao sol e indignado falava “Meu Deus do céu olha o que o meu filho tá usando!”.
    Porque até então, pra ele isso era coisa de “bomba”.
    Enfim, ele ficou um tempão segurando minha bolinha de enfiar na perseguida, tentando adivinhar que tipo de suplemento era aquele até que minha sogra chegou, viu a cena e resolveu ler no potinho para que servia e contou pra ele.

    Isso tudo fiquei sabendo depois, quando meu namorado me contou. Agora toda vez que chego na casa dele fico morrendo de vergonha de pensar que todo mundo naquele lugar conhece minha intimidade.”

     

    ___________________________

    História enviada pela Tai.

    Se você tiver alguma história engraçada pra contar, manda pra gente no contato@acidezfeminina.com.br


    Gostou? Compartilhe

  • 12/04/2018// Por: Taty Ferreira

    Propaganda de cuecas com homens “reais”

    mash campanha 2018

     

    E não que o empoderamento nas publicidades se estendeu aos homens?

    A nova campanha da Mash quer quebrar o estereótipo de masculinidade. Com o tema “Confortável é ser quem você é”, o novo filme da marca mostra homens diferentes tipos físicos e idades, fazendo coisas que geralmente não são ditas como “coisa de homem” como, por exemplo, dançar funk e não entender de carro.

    Mesmo tendo em mente quebrar estereótipos a empresa contou com Bruno Gagliasso como estrela da campanha, um dos galãs da mídia tradicional e agora também influenciador digital.

    Garantir Bruno como protagonista talvez seja uma estratégia para continuar chamando atenção do público feminino, já que uma pesquisa feita pelo instituto Data Popular, em 2014, revelou que 71% dos homens admite que quem escolhe e compra as suas roupas é a parceira, até mesmo as roupas íntimas.

    A idéia de trazer “homens comuns” para publicidade de roupas intimas também não é algo novo. Como já haviamos postado aqui, o jornal britânico The Sun resolveu fotografar homens normais vestindo apenas a roupa de baixo imitando poses de modelos tradicionais já há alguns anos. E o resultado foi igualmente sensacional!

     

    the sun3

     

    the sun2

     

    the sun1


    Gostou? Compartilhe

  • 11/04/2018// Por: Taty Ferreira

    Todo ano mil brasileiros tem o pipi amputado por falta de higiene

    homempreocupado

     

    Pois é, dá pra acreditar numa coisa dessas?

    Tudo seria resolvido e esse número abaixaria drasticamente se todo homem fizesse uso abundante de água e sabão no playground todo santo dia.

    Acontece que a limpeza correta da genitália evita infecções causadas por fungos e bactérias, diminuindo os chances do desenvolvimento de câncer peniano. “A higienização diminui as chances do homem obter HPV [papilomavírus humano], vírus sabidamente relacionado ao desenvolvimento da doença”, afirma Alexandre César Santos, membro da SBU-SP, à GALILEU.

    É muito importante não apenas remover todas as secreções — principalmente as que ficam nas dobras na região do prepúcio – como secar direitinho, porque é a umidade no local que pode causar micose, candidíase e fungos em geral.

    Tão essencial quanto a limpeza é essencial buscar um profissional ao menor sinal de problema. Os homens precisam ficar de olho na aparição de manchas, verrugas, úlceras e feridas: “Quanto antes for diagnosticado, maiores são as chances de sucesso no tratamento e da não remoção do pênis” é o que afirma o especialista.

    Vi na Galileu


    Gostou? Compartilhe

  • 10/04/2018// Por: Taty Ferreira

    Carioca cria curso básico de elétrica para mulheres

    Carolina é uma carioca de 23 anos, estudante de administração e técnica em eletrotécnica que viu no mercado uma brecha para se tornar a empreendedora que ajudaria ainda mais as mulheres a serem auto suficientes. Assim criou um curso básico de elétrica direcionado apenas para mulheres onde ela ensina desde a instalar tomada à interruptores.

     

    WhatsApp Image 2018-04-10 at 13.29.37

     

    Seu workshop tem duração de 4 horas de aula teórica e prática e a idéia é que as mulheres saiam dessas quatro horas realizando reparos de instalações elétricas sozinhas em casa sem precisar de ninguém.
    Já foram 5 edições e mais de 50 mulheres independentes em elétrica básica. Como a ideia é ensinar o maior número possível de mulheres, o valor do curso é simbólico para conseguir democratizar o conhecimento.
    Abaixo segue um vídeo mostrando um pouco do trabalho da Carolina:


    Gostou? Compartilhe

  • 07/03/2018// Por: Taty Ferreira

    Taty Ferreira no Cê Viu?

    No último dia 03 de Março participei do programa Cê Viu?! da Rede Integração afiliada da Rede Globo em Minas Gerais.

    Bati um papo muito legal sobre criação de conteúdo para internet com Cecília Ribeiro, se você perdeu pode ver tudo agora clicando na foto abaixo ou aqui, aqui mesmo!

     

    IMG_5780

     


    Gostou? Compartilhe

  • 11/12/2017// Por: Taty Ferreira

    Vereador sueco propões pausas no trabalho para sexo

    casal se pegando

     

    Per-Erik Muskos, vereador deÖvertorneå, na Suécia, fez uma sugestão curiosa em reunião da Câmara Municipal: oferecer pausas (pagas) de uma hora durante o horário de trabalho para que os funcionários possam ter relações sexuais com seus parceiros.

    O político reforçou que casais não costumam passar tempo o suficiente juntos e que existem diversos estudos que mostram como o sexo pode fazer bem à saúde.

    A proposta não é tão absurda assim no contexto da Suécia: o país de fato valoriza a qualidade de vida. Os suecos fazem entre duas e três pausas durante o dia para tomar café, comer um docinho e relaxar por alguns minutos; costumam trabalhar várias horas a menos por ano em relação a países como Inglaterra, Estados Unidos e Rússia; e o país oferece 480 dias de licença maternidade (período que pode ser dividido entre os dois pais da criança).

    O melhor de tudo é que os benefícios não demonstram ter impactos negativos na economia: estima-se que a Suécia crescerá 2,4% neste ano — 0,8% a mais que o estimado para os outros países da União Europeia.

     

    Vi na Revista Galileu

    ____________________________

     

    Não sei vocês, mas eu aprovo.


    Gostou? Compartilhe

  • 21/11/2017// Por: Taty Ferreira

    O que é um relacionamento abusivo

    A nova novela das 9 da Globo está retratando uma situação que muitas pessoas passam diariamente dentro da própria casa, a violência doméstica.
    Para mostrar que o assunto é algo que atinge muitas e muitas pessoas comuns de diferentes maneiras eles convidaram algumas pessoas para falar sobre como convivem com o relacionamento abusivo e a violência doméstica.

    Entre uma filha que viu a mãe ser brutalmente assassinada pelo próprio pai, uma atriz que foi molestada algumas vezes e uma jovem que quase perdeu a própria vida depois de ter seu corpo em chamas lançado do terceiro andar, fui convidada, por ser alguém que recebe alguns relatos e já falou sobre o assunto abertamente algumas vezes, para falar sobre a primeira apresentação da violência, aquela que não parece tão grave mas que desencadeia todas as outras, a violência moral, psicológica, o relacionamento abusivo. Se liga ai no vídeo que gravamos lá e conheça também as outras histórias que são tocantes a ponto de tirar o fôlego.

     

     

     

     

     

    PS: Desculpem a falta de ar no vídeo, nessa época meu diafragma estava sendo bem pressionado por uma neném de grande porte, dai minha voz saia assim. heheh


    Gostou? Compartilhe

  • 08/11/2017// Por: Taty Ferreira

    Encontramos a irmã gemêa da Taylor Swift no Badoo

    Claro que aparência física não é tudo, mas é super importante achar a pessoa com quem você está um gato/gata, certo? E no início isso bem dá um empurrãozinho pra tentar conseguir o contatinho. Afinal, quem não gostaria de sair com alguém parecido com o Ryan Gosling? E alguém que fosse a cara da…Taylor Swift?

    E por falar em Taylor Swift, como ela anuncia logo de cara em Look What You Made Me Do que a antiga Taylor morreu, nós decidimos correr no Badoo e procurar uma Sósia da Taylor antiga pra matar a saudade. Que tal?

    Badootaylor

    Igualzinha né? Ficamos de cara, até saí colocando Fearless pra tocar.

    Amei descobrir que o Badoo se ligou nessa de que muita gente tem um tipo que, muitas vezes, mesmo que inconscientemente, tem a ver com suas celebridades favoritas, crushs de escola e etc. O app aproveitou do seu status de maior app de descoberta social do mundo e sua extensa lista de cadastrados, com mais de 363 milhões de pessoas, para criar uma ferramenta que permite que você encontre pessoas no mundo inteiro que se pareçam com seu ídolo.

    Afinal de contas quem é que não ia querer ir pra um jantar com um cara igualzinho o Shawn Mendes?
    Dentro da ferramenta Pessoas Perto (só clicar no mundinho no menu inferior do app) tem agora a aba Sósias. A lista de celebridades lá vai de Bennedict Cumberbatch a Anitta, mas você consegue adicionar a foto de alguém se quiser fazer uma busca mais personalizada.

    badoo1

    E ai, bora conseguir uns novos contatinhos?! Clica aqui conheça mais sobre o aplicativo!


    Gostou? Compartilhe

Taty Ferreira

Blogueira

/acidezfeminina
/acidezfeminina
/AcidGirlTestosterona
/acidezfeminina
/AcidezFeminina
/AcidezFeminina
Olar bandiputo!!!

Natural de Araxá/MG, tem 30 anos, é blogueira, youtuber, empresária, escritora, modelo, atriz e mentirosa. Produz conteúdo para a internet desde 2009 e ama o fato de poder trabalhar usando pijama. Tem uma missão de que é lembrar as mulheres de depilarem seus bigodes. Você, mulher, já depilou seu bigode essa semana?