• 31/10/2013// Por: Taty Ferreira

    Ele a insulta e ela se sente plena

    cabecinha-noombro

     

     

    “Olá Acid, leio muito seu blog e, por isso, sei que quando ler minha história vai me achar louca e estúpida. Mas quantas pessoas não são estúpidas de vez em quando por aqui né? Então lá vai.

    Conheci um cara em 2011 e construímos uma história juntos. Desde o começo, ele se mostrava um cara super simpático e uma ótima companhia, porééém, muito psicopata (ele fuçou meu histórico do MSN e descobriu muitas coisas que eu realmente não ia contar pra ele – óbvio né). Enfim, mesmo assim decidi namorar com ele, e vivemos um namoro em que de 15 em 15 dias tínhamos uma briga homérica e algumas vezes com direito a xingamentos, insultos baixos, etc. O namoro terminou com o cara brigando com meu primo (que ele morre de ciúme por eu já ter ficado) no casamento do meu pai no final do ano passado, e a partir daí, naturalmente nossas famílias se odeiam e nos odeiam juntos. Terminamos, ficamos com outras pessoas e desde o início desse ano a gente fica e separa, num ciclo vicioso e tortuoso.

    O que me intriga é: Eu gosto demais dele, e sei que ele gosta de mim também. Mas nós vivemos brigando e ele é HIPER CIUMENTO. Pra você ter uma ideia, ele ME IMPEDE DE ENTRAR NO FACEBOOK (vê se pode isso, gente?), não mede esforços pra não ser chato quando tá desconfiado de alguma coisa, me insulta e julga como se não houvesse o amanhã quando tá puto.

    Enfim, minha vida é uma bagunça quando estamos juntos, pois preciso mentir pra todos e de vez em quando ele ainda me inferniza. Mas, por outro lado, é uma delícia estar com ele quando estamos bem. Ele realmente me faz sentir plena nesses momentos.

    Já pensei, já tentei, e já dei um pé na bunda dele em busca de ficar bem comigo mesma ou conhecer alguém novo… Mas só encontrei desgraças imaturas e idiotas. Até consegui ficar bem sozinha, mas ele não me deixa em paz depois que terminamos. Ele sempre me procura e eu não consigo dizer não quando isso acontece.

    O que você tem a me dizer, Acid? Sempre pensei em mandar minha história pra você pra ver o que você diria. Beijos, Carol.”

     

    ___________________________________

     

    Olha gente, vou ser bem sincera com todos vocês que lêem esse blog; se vocês tivessem o mínimo de amor próprio essa sessão em que eu respondo emails de vocês nem existiria.

    Carol, a parada é a seguinte, tem alguns ditados bem clichês que se encaixam muito no seu caso, um deles é “As pessoas só fazem conosco aquilo que nós permitimos”, se ele de “impede” de entrar no Facebook é porque você aceita, se ele te xinga, te inferniza, julga e insulta é porque você dá liberdade.

    Não importa se quando você termina ele vem atrás, o papel dele é vir atrás e o seu papel, enquanto alguém que não quer mais passar por isso, é insistir na sua decisão.  Na verdade você gosta dessa psicopatia dele, digo isso porque eu não agüentaria um terço das coisas que você relatou.

    Uma briga homérica a cada 15 dias? Proibir de fazer coisas? Quem diabos esse cara pensa que é? Seu pai? Um general? Nem se ele fosse alguma dessas coisas seria certo ele fazer isso.

    E é por isso que digo que no fundo você gosta, porque você agüenta e porque apesar dessas coisas todas que ele faz você ainda diz se sentir plena. Que diabos de plenitude é essa? Me parece, sinceramente, que você é daquelas pessoas que acha que ciúme e possessão é sinônimo de demonstração de amor, cada um tem uma definição de amor, mas na minha concepção não existe amor no mundo que proíba, incomode, insulte, ignore, desrespeite e trate mal o outro.

    O outro clichê que cabe no seu caso é: “A gente atrai aquilo que procura”, se você termina com ele e só encontra ‘desgraças imaturas e idiotas’ talvez você esteja procurando no lugar errado, ou talvez você esteja dando sinais de quem quer alguém imaturo e idiota. Até porque mais imaturo e idiota que esse seu namorado acho difícil existir.


    Gostou? Compartilhe


Taty Ferreira

Blogueira

/acidezfeminina
/acidezfeminina
/AcidGirlTestosterona
/acidezfeminina
/AcidezFeminina
/AcidezFeminina
Olar bandiputo!!!

Natural de Araxá/MG, tem 30 anos, é blogueira, youtuber, empresária, escritora, modelo, atriz e mentirosa. Produz conteúdo para a internet desde 2009 e ama o fato de poder trabalhar usando pijama. Tem uma missão de que é lembrar as mulheres de depilarem seus bigodes. Você, mulher, já depilou seu bigode essa semana?