• 25/10/2016// Por: Taty Ferreira

    5 em cada 6 meninas acham que só são valorizadas pela aparência

    menina-espelho

     

    Em uma série de estudos realizados na Austrália, na Nicarágua, no Equador, no Paquistão e no Zimbábue, só 1% das meninas disseram acreditar que são tratadas igual aos meninos.

    Foram 3 mil participantes no total – 600 em cada país -, entrevistadas entre dezembro de 2015 e fevereiro de 2016.

    Os dados são assustadores. 5 a cada 6 meninas acham que só a aparência – e não o intelecto ou as habilidades e aptidões – tem valor para as outras pessoas, e mais da metade afirma que a inteligência raramente é uma qualidade valorizada ou elogiada.

    Por causa dessa visão depreciativa de si mesmas, um terço das entrevistadas acredita que seria mais fácil conseguir o trabalho dos sonhos se fosse homem – só no Paquistão, 53% das participantes concordaram que ser do sexo masculino tornaria a vida profissional bem mais fácil. Dentro de casa, as coisas não são diferentes: um terço das meninas sente que o trabalho doméstico não é dividido igualmente entre os homens e as mulheres da família.

    Ainda há muito a melhorar em relação aos direitos das meninas, e a estrada vai ser longa: 63 milhões de meninas espalhadas pelo mundo não estão na escola – no próprio questionário, 18% das australianas não estavam estudando, isso apesar de a Austrália ser um país com bons índices educacionais.

    Claro, o problema da desigualdade de gênero não para por aí: outra face dessa questão é o abuso sexual. Nas pesquisas, 51% das meninas disseram se sentir pressionadas para tirar e compartilhar selfies íntimas, e 62% a transar. Segundo a ONU, no mundo inteiro, 120 milhões de meninas já foram forçadas a fazer sexo.

    Os resultados assustam, mas a ideia é usá-los para combater o machismo. No ano passado, os cinco países estavam entre os 193 que adotaram a Agenda para o Desenvolvimento Sustentável, uma série de 17 objetivos para diminuir as diversas formas de desigualdade até 2030. Quem sabe, no final desse tempo, aquele 1% de meninas que se sentem iguais aos meninos cresça – nem que seja pouquinho.

    Notícia da Super Interessante


    Gostou? Compartilhe


Taty Ferreira

Blogueira

/acidezfeminina
/acidezfeminina
/AcidGirlTestosterona
/acidezfeminina
/AcidezFeminina
Olar bandiputo!!!

Natural de Araxá/MG, tem 30 anos, é blogueira, youtuber, empresária, escritora, modelo, atriz e mentirosa. Produz conteúdo para a internet desde 2009 e ama o fato de poder trabalhar usando pijama. Tem uma missão de que é lembrar as mulheres de depilarem seus bigodes. Você, mulher, já depilou seu bigode essa semana?