• 29/12/2015// Por: Camila Pavani

    Um guia sobre o “autoamor manual”

    orgasmo

     

    Até algumas gerações atrás, a masturbação era completamente tabu. Quem se masturbava era estigmatizado. Alguns pais diziam para as crianças em tom ameaçador: “Você vai ficar cego”.

    A sociedade “correta” não estava pronta para aceitar a exploração livre da sexualidade. Por causa desse desconforto e desse medo, as pessoas tratavam a masturbação como algo sujo, moralmente errado e muito além dos limites do que era socialmente aceitável.

    Com o advento da Revolução Sexual e, mais ou menos na mesma época, do Relatório Kinsey, entretanto, a ciência começou a examinar os efeitos físicos e psicológicos da sexualidade, e o que se descobriu ia contra o pensamento tradicional sobre o tema.

    No fim das contas, expressar a sexualidade tem muitos benefícios, especialmente por meio da masturbação. (Não é incrível que tenhamos demorado tanto tempo para admitir?) Para muita gente, o estigma persiste, mas para quem pratica o autoamor manual, a recompensa é uma saúde melhor e uma vida sexual mais satisfatória.

    Você tem problemas para dormir?

    A masturbação pode ajudar. Ela alivia a tensão e o estresse, inundando o organismo com endorfinas, os químicos que dão a sensação de bem estar.

    Para os homens, a masturbação pode ajudar a prevenir o câncer de próstata. As toxinas se acumulam naturalmente no trato urogenital, mas homens que ejaculam mais de cinco vezes por semana diminuem esses níveis de toxinas e, com isso, possivelmente reduzem em um terço os riscos de câncer de próstata.

    A ejaculação também libera um pouco de cortisol, o hormônio do estresse, que em doses pequenos melhora o sistema imunológico.

    Para as mulheres, o autoamor manual pode ajudar a aliviar a cólica. A masturbação aumenta o fluxo de sangue para a região pélvica, o que acelera a menstruação e diminui a dor.

    Ela também combate infecções do trato urinário, limpando a cérvix. Para mulheres que passaram pela menopausa, o estreitamento da vagina pode causar dores na penetração e nos exames vaginais, mas a masturbação, particularmente com lubrificantes à base de água, aumenta o fluxo de sangue nos órgãos sexuais.

    Isso pode ajudar a aliviar problemas de hidratação e impedir o estreitamento da vagina.

    Finalmente, a masturbação pode melhorar sua vida sexual. O autoamor permite que os dois sexos conheçam melhor seus corpos e seus centros de prazer. O que te dá orgasmos? Onde você gosta de ser tocado? Que tipos de sensações, pressão, velocidade e ritmos te levam ao clímax?

    Masturbação não tem a ver só com prazer – é um processo de autodescoberta. Isso é especialmente importante para as mulheres, muitas das quais foram treinadas pela sociedade a reprimir seus desejos e impulsos sexuais.

    As mulheres muitas vezes não se sentem à vontade se tocando, mesmo que estejam sozinhas.

    Especialistas em sexo, entretanto, sempre enfatizam a importância da exploração do próprio corpo. Ela não só ajuda a mulher e entrar em contato consigo mesma, mas também com seus desejos e fantasias.

    Mesmo sem orgasmo, a experiência pode ser relaxante, empoderadora e gostosa.

    Para as mulheres que estão descobrindo o autoamor, o essencial é relaxar. Pode parecer constrangedor, mas lembre que você é a maior especialista no que diz respeito ao seu corpo.

    Não importa o que você esteja fazendo, está certo. Para criar um ambiente relaxante, separe um tempo só para você, coloque uma música, acenda velas, tome um banho bem quente. Toque seu corpo inteiro e pense em coisas que te excitam.

    Não se preocupe com o orgasmo – apenas curta seu corpo e se permita tentar coisas novas. Explore e aprenda. Ritmos e posições diferentes ajudam, assim como brinquedos.

    Masturbar-se com o parceiro também ajuda. Pode ser uma experiência muita erótica, que ajuda a revelar o que vocês gostam ou não gostam. Pode abrir a porta para falar de fantasias e desejos.

    Temos sorte de viver numa cultura que aos poucos fica mais à vontade com a ideia da sexualidade, mas lembre que, no fim das contas, ela pertence a você.

    Todos temos de ser livres para explorar nossos desejos e praticar o autoamor no nosso ritmo, sem preocupação ou vergonha – e com certeza sem o medo de ficarmos cegos. Que hoje seja o dia em que você começa um novo relacionamento consigo mesmo – baseado em liberdade, desejo, autenticidade e prazer.

    Que seu corpo seja seu guia, e lembre-se: quanto melhor você se amar, melhor você vai amar os outros.

     

    Texto do BrasilPost


    Gostou? Compartilhe


Taty Ferreira

Blogueira

/acidezfeminina
/acidezfeminina
/AcidGirlTestosterona
/acidezfeminina
/AcidezFeminina
/AcidezFeminina
Olar bandiputo!!!

Natural de Araxá/MG, tem 30 anos, é blogueira, youtuber, empresária, escritora, modelo, atriz e mentirosa. Produz conteúdo para a internet desde 2009 e ama o fato de poder trabalhar usando pijama. Tem uma missão de que é lembrar as mulheres de depilarem seus bigodes. Você, mulher, já depilou seu bigode essa semana?